Revista Mais - Agosto de 2016
CORES, QUESITO PRINCIPAL NA VALORIZAÇÃO DO PROJETO
Que cor usar?

Para criar ou renovar, é uma pergunta muito comum.

Na volumetria da edificação ou no seu interior, a cor tem papel fundamental no aspecto visual. Ela pode atuar no nosso cérebro alterando percepções, sentimentos, sensações e personalidade. As claras ampliam e iluminam, as escuras reduzem e escurecem, as coloridas alegram, e as neutras oferecem seriedade e serenidade. Não devemos ter medo de aplicá-las. O importante é saber usá-las na medida certa e no local certo.

Na decoração, os tons pastéis estão em alta, garantindo leveza e sensação de tranquilidade, com destaque para o Azul Serenity e o Rosa Quartz na cartela de 2016.

A escolha pelos tons sóbrios não tem erro, compõem com tudo e remetem a um ambiente requintado. São atemporais.

O cinza, cada vez mais, vem ganhando evidência, imprimindo esse conceito. Muitas vezes, é usado mesclado com materiais diversos e outras cores, fazendo um arranjo sensacional.

O conjunto monocromático, tom sobre tom, com texturas e acabamentos diferentes, faz uma composição muito equilibrada. Aplicado pontualmente com detalhes em cor, dá um toque de alegria.

O levantamento de alguns dados sobre seu espaço e suas intenções pode ser diretriz para a escolha, como a utilização do espaço (lazer, descanso, convivência, estudo); suas dimensões (alto ou baixo, amplo ou pequeno, largo ou estreito), sua luminosidade (escuro ou claro), o estilo desejado (sóbrio, alegre, neutro).

As cores causam muitos efeitos lúdicos, figurativos e podem também resgatar origens. Para um espaço harmônico e bonito, o segredo é estudar a paleta de cores em conjunto com todos os elementos que farão parte do contexto (paredes, acessórios, móveis e objetos), sendo sempre necessário fazer um planejamento. Pensar isoladamente induz ao erro.

Nos projetos de interiores, seja na casa seja no trabalho, gosto muito de usar tons neutros e sóbrios como base, pois eles permitem uma vasta gama de composição e alterações.

Para o exterior, opto por adotar cores claras e neutras. Mas não é uma regra, vai depender do projeto, da sua forma e do seu volume. Como lembra Rannz Weissmann, "nem toda cor pode ser acolhida por uma forma. A forma indica a cor que será usada".
TEMPERATURAS E SENSAÇÕES DAS CORES

Cores quentes: transmitem a sensação de calor. As principais são vermelho, amarelo e laranja. Com efeitos estimulantes, remetem a alegria e movimento.

Cores frias: oferecem a sensação de frio, como azul, verde, violeta. Produzem efeitos tranquilizantes e calmantes.

Cores neutras: não transmitem sensações de calor ou de frio, pois possuem pouca reflexão da luz. Exemplo são o marrom, os tons pastéis e acinzentados.
DICAS PARA O USO DAS CORES

Espaços altos: para rebaixar a altura, pinte o teto com uma cor escura. Espaços baixos: para aumentar a altura, pinte o teto com uma cor mais clara que a das paredes ou com branco. Espaços pequenos: utilize cores claras. Se optar pelas quentes, use de forma pontuada.

Espaços amplos: se a intenção for reduzir, pinte as paredes com uma cor mais escura ou duas opostas. Espaços estreitos: para ampliar, opte por cores pastéis. Evite pintar o vão menor com cor escura.
Sandra Oliveira Arquitetura e Urbanismo
Rua Professor Osvaldo Franco 90 sala 610
Centro Betim MG CEP 32 510 050
(31) 3511.0538
arquitetura@sandraoliveira.com.br